O Blog

Ir além da notícia, contextualizando-a em artigos e ensaios, com a participação de colaboradores qualificados, é o que se propõe o blog. A internet é a babel digital despejando a cada minuto uma quantidade de informações que, por sua magnitude, às vezes mais confunde que esclarece. Nosso objetivo é, mais que dar a informação, pensar a notícia.

Colaboradores

Redes Sociais

Michel Temer

Foi-se a pinguela

  Em circunstâncias institucionais normais, já seria difícil ao presidente Michel Temer sustentar-se no cargo após o conteúdo da gravação de sua conversa com o empresário Joesley Batista. O que restava de autoridade política ao presidente da República esvaiu-se com a revelação de que o distanciamento proclamado entre ele e a banda podre de sua base de apoio era apenas oratória. Com a iminência da divulgação da fita com a gravação, antes de seu pronunciamento marcado para as 16 horas, Temer poderá em

Michel Temer

Temer pode ter dificuldade em sustentar seu grito de “Fico”

A saída de Roberto Freire do ministério da Cultura, em obediência a decisão de seu partido de deixar o apoio ao governo, demonstra que o presidente Michel Temer cogitou da renúncia. Freire esperou o pronunciamento e, diante da decisão de Temer pela permanência, ficou sem alternativa. Deverá segui-lo no gesto ou outro ministro do PPS, Raul Jungmann, da Defesa. Jungmann precisa de ritual mais litúrgico e negociado por se tratar de uma transição de comando na gestão militar. Mas , segundo Freire,

imposto sindical

Com os dias contados

Mais que o empenho do governo, é a determinação de ampla maioria congressual que dita a urgência na votação da reforma trabalhista: o alvo é o fim do imposto sindical obrigatório. As mobilizações hostis das corporações sindicais, algumas até mesmo físicas, contra parlamentares em vôos e aeroportos, foi o gene de um processo que selou a sentença de morte do imposto. Na última semana, a violência chegou ao ápice com a invasão do Congresso por sindicalistas policiais,

Cara de paisagem

Não obstante a regra que estabelecera pela qual ministros só serão demitidos quando réus, o presidente Michel Temer dá sinais de que gostaria que os investigados pelo STF pedissem para sair. Ao ser fixada, a regra além de dar tempo ao governo, cumpria o saudável zelo pela premissa constitucional de que todos são inocentes até prova em contrário. E delações não são provas, tanto que os inquéritos abertos têm exatamente o objetivo de conferir a veracidade dos

Odebrecht

Entre a transição e o transitório

Avassaladoras, as delações da Odebrecht situam a gestão Temer na tênue fronteira entre os governos de transição e transitório. O primeiro, ao qual se propôs o Presidente da República, levaria o País a correções de rumo, através das reformas, que poderiam justificar-lhe o epíteto de “ponte para o futuro”. O segundo, é o que cumpre tabela – no jargão do futebol o time que entra em campo sem chance de título apenas como coadjuvante do campeonato. Na linguagem